Let's Chat! Text Claur on:
What's App - Facebook Messenger

Jake
Rosenberg

The Coveteur: We spoke with Rosenberg about past, present and future of the most coveted platform on web.

@jakerosenberg

You can thank Jake Rosenberg for that peep you got into your favorite celebrity’s closet. For almost five years now, Rosenberg has been traveling the world to shoot high-profile models, entrepreneurs, businessmen and the like, for exclusive interviews that progress from inside their closets.

Back when he was 23 and only a recent graduate from the Ontario College of Art and Design, where he studied product design and branding, the part-time photographer shot his first (ever) fashion project with Stephanie Mark and Erin Kleinberg on a whim. The very next day, Rosenberg, Mark and Kleinberg – only acquaintances at the time – came together to launch what is now one of the largest fashion and lifestyle brands on the web.

The Coveteur celebrates nearly five years of unprecedented success with the consolidation of the platform as a global firm. Lifestyle Magazine spoke to hard-to-pin-down Jake Rosenberg to learn what goes into creating the most coveted content on the web.

What brought you to where you’re standing?
I attended the Ontario College of Art and Design where I studied Industrial Design. Out of college, I took on a few jobs as a photographer and eventually landed an assistant position to a fashion photographer who really schooled me in terms of this specific market. In that context, I met Stephanie and Erin, who became my partners. We worked on a lookbook together and, the very next day, decided to launch a unique little platform centered in fashion. I’m very lucky to be able to say today, that I’ve worked with so many influential luxury brands, and met people all around the world who are doing incredible things in all segments of life.

How did the idea of The Coveteur emerge?
Street style was so popular 4 years ago, and it still is, but my partners had this curiosity to see where these people got dressed to make an impression and how they did so. They wanted to get a look behind the scenes and to hear from street style or fashion icons why they chose the clothes they did. That’s really how we started the company. Besides having the website crash on D-day (laughs), what were some of the challenges you faced when the brand was first starting? The founders of The Coveteur are from Canada, so the whole company is based there. We were three kids running this from our homes, emailing people all over the world. Our foremost challenge was convincing people that we were serious and getting them to open up to the idea of us shooting inside their homes.

You really changed the way the industry and spectators produce and consume fashion and lifestyle content. How?
We weren’t setting out to change anything. We wanted to deliver aspirational experiences in an approachable way. That was a very fresh approach to editorial content. We’re really just your friends, sitting in the back of a car telling you about the crazy fun we had meeting Miranda Kerr. What stands out about the brand is its unity and cohesiveness, how everything we put out there carries a distinct style and vision that is immediately traceable to us.

What goes into creating such a distinctive brand?
We create everything in-house. For the first 3 years, I shot every single image that went on the site. That’s how we kept it consistent and established a visual language for it. We’ve remained faithful to this model. The style we’ve created is such a huge part of the stories we’re telling.

How is it like shooting subjects inside their homes?
It’s definitely tricky but there really is nothing like it. We don’t scout houses beforehand, so it’s always a surprise. I have to connect with the person and make them feel comfortable, open up, and within a couple hours, I have 30-40 images that we’re all happy with.

How do you describe your photographic style?
It definitely has a fun and loud aspect to it, but there’s also a special softness and romance to it. I’m not trying to make anyone look perfect, I want to create a moment with the subject that no one else has access to.

Who haven’t you photographed yet that you would like to?
For guys, I’d really like to shoot Paul McCartney and Neil Young. In terms of women, I love the idea of shooting Audrey Hepburn (laughs). A living person? Meryl Streep, Candice Swanepoel, Kate Moss.

When you’re in so many places in such little time, how do you stay grounded?
It’s a challenge. I’m usually in a different city every week, sometimes two. I don’t really have an answer for this (laughs), because in truth, I’m always tired, always hungry, always jet-lagged. At the same time, there’s so much adrenaline and excitement in my life – I get to meet new people, visit new places… I love what I do and can’t really complain.

How has this crazy adventure changed you?
Before this, I had never worked in fashion – far from it. I mean, I still pretty much only wear jeans and a black shirt. Except now I know which jeans and black shirts I should be wearing, and which ones I like wearing the most. A James Perse black T, Acne Denim, and toss on a pair off White Common Projects and I am good to go. All the travelling has given me the chance to discover and to experience new cultures from within, speaking to locals and being inside their homes, which is very rich. I’ve grown so much from this. It’s all about passion. I’m passionate about branding and photography, and to be able to work with both is special. Fashion is a world of visual excess.

How does this influence your aesthetic?
In terms of my style, I like a clean aesthetic: jeans and a black shirt. I love shoes and I have a ton of them, but they’re all black and white or striped, too. Sometimes I’ll wear a fun tee…? Not really, actually.

What’s in the future for you, for The Coveteur?
The Coveteur is always changing. We’ll keep trying to improve it as we move forward. I’d love to be all over the world, to have offices everywhere. I live everywhere at this point, but we’re still headquartered in Toronto. I love the West Coast, but definitely might make a move to New York at some point. We’ll see. We have a media platform that’s hugely successful and that’s grown organically, based on passion. This gives us strength to take it places to keep growing. All I can really say is that I am very excited for what the future holds.

Interview for the cover of Lifestyle Mag, the former name of Claur Magazine

The Coveteur: Nós falamos com Rosenberg sobre o passado, presente e futuro da mais cobiçada plataforma da web.

→ @jakerosenberg

Você pode agradecer ao Jake Rosenberg pela espiadinha no closet de sua celebridade favorita. Por quase 5 anos, Rosenberg tem viajado o mundo para fotografar modelos, empreendedores e homens de negócio high-profile para entrevistas exclusivas que começa de dentro de seus closets.

Quando ele tinha 23 anos e há pouco havia se formado no Ontario College of Art and Design, onde estudou design de produto e marca, o fotógrafo de meio período fotografou seu primeiro projeto de moda com Stephanie Mark e Erin Kleinberg. No dia seguinte, Rosenberg, Mark e Kleinberg – apenas conhecidos naquela época – se juntaram para lançar o que é agora uma das maiores marcas de moda e lifestyle na web.

The Coveteur celebra quase 5 anos de sucesso sem precedentes com a consolidação da plataforma como uma empresa global. Falamos com Jake Rosenberg para entender o que acontece quando está criando o conteúdo mais cobiçado da web.

PH: jakerosenberg.ca

O que o trouxe para onde está agora?
Eu frequentei o Ontario College of Art and Design onde estudei Design Industrial. Fora da faculdade, eu peguei alguns trabalhos como fotógrafo e eventualmente acabei entrando na posição de assistente de um fotógrafo de moda que realmente me ensinou sobre esse mercado. Dentro desse contexto, eu conheci Stephanie e Erin, que se tornaram minhas parceiras. Nós trabalhamos em lookbook juntos e, no dia seguinte, decidimos lançar uma pequena e única plataforma centrada em moda. Eu sou muito sortudo de poder dizer hoje que eu trabalhei com tantas marcas de luxo influentes, e conheci pessoas do mundo inteiro que estão fazendo coisas incríveis em todos os segmentos da vida.

Como a ideia do The Coveteur começou?
O street style era tão popular há 4 anos, e ainda é, mas minhas parceiras tinham curiosidade de ver onde essas pessoas se vestiam para se destacarem e como elas faziam isso. Elas queriam ter uma visão dos bastidores e ouvir de ícones do street style ou da moda por quê escolheram aquelas roupas. E assim foi realmente como começamos a empresa.

Apesar de terem tido um crash no website no Dia D (risos), quais foram alguns dos desafios que enfrentaram quando a marca começou?
Os fundadores do The Coveteur são do Canadá, então toda a empresa é lá. Nós éramos três crianças tocando isso de nossas casas, mandando e-mails para pessoas de todo o mundo. Nosso maior desafio era convencer as pessoas que nós éramos sérios e fazê-las se abrirem para a ideia de fotografarmos dentro das casas delas.

Vocês realmente mudaram como a indústria e os espectadores produzem e consumem moda e conteúdo lifestyle. Como?
Nós não nos preparamos pra mudar nada. Nós queríamos entregar experiências aspiracionais de uma maneira mais próxima. Isso foi uma jogada bem nova em conteúdo editorial. Nós éramos apenas amigos, sentados no banco de trás do carro contando sobre como nos divertimos encontrando Miranda Kerr. O que se destaca na marca é sua unidade e coesão, como tudo o que colocamos no mercado traz um estilo e uma visão distintos que são imediatamente rastreáveis ​​para nós.

O que acontece na criação de uma marca tão distinta?
Nós criamos tudo dentro de casa. Nos primeiros 3 anos, eu fotografava todas as imagens que iam ao site. E assim foi como nós mantivemos uma linguagem visual consistente e estável. Nós nos mantivemos fiéis a esse modelo. O estilo que criamos é uma grande parte das histórias que estamos contando.

Como é fotografar pessoas dentro de suas casas?
É bem desafiador mas não tem nada parecido. Nós não olhamos as casas antes, então é sempre uma surpresa. Eu tenho que me conectar com a pessoa e fazer ela se sentir confortável, aberta e dentro de umas 2 horas, eu tenho 30-40 imagens que todos ficam felizes.

Como você descreve seu estilo fotográfico?
Definitivamente tem um aspecto divertido e chamativo, mas tem também um romance e uma delicadeza especiais. Eu não tento fazer ninguém parecer perfeito, eu quero criar momentos com a pessoa que ninguém tem acesso.

Quem você ainda não fotografou e tem vontade?
Para homens, eu queria realmente fotografar Paul McCartney e Neil Young. Em termos de mulheres, eu amo a ideia de fotografar Audrey Hepburn (risos). Uma pessoa viva? Meryl Streep, Candice Swanepoel, Kate Moss.

Quando você fica em muitos lugares em pouco tempo, como se mantém aterrado?
É um desafio. Eu normalmente estou em uma cidade diferente toda semana, algumas vezes duas. Eu não tenho uma resposta pra isso, na verdade (risos), porque na verdade, eu sempre estou cansado, sempre com fome, sempre com jet lag. Ao mesmo tempo, tem tanta adrenalina e animação em minha vida – eu posso conhecer novas pessoas, visitar novos lugares… eu amo o que faço e realmente não posso reclamar.

PH: jakerosenberg.ca

Como essa aventura louca te mudou?
Antes disso, eu nunca tinha trabalhado com moda – bem longe disso. Eu ainda uso, basicamente, apenas jeans e camiseta preta. Só que agora eu sei quais jeans e camisetas pretas eu deveria usar, e quais eu mais gosto de usar. Uma camiseta preta James Perse, Acne Denim, e jogo um par de Common Projects brancos, e estou pronto. Todas essas viagens me deram a chance de descobrir e experimentar novas culturas, conversar com locais e estar dentro de suas casas, o que é muito rico. Eu cresci muito com isso. É tudo sobre paixão. Eu sou apaixonado por branding e fotografia, e ser capaz de trabalhar com os dois é muito especial. Moda é um mundo de excessos visuais.

Como isso influencia sua estética?
Sobre meu estilo, eu gosto de uma estética clean: jeans e camiseta preta. Eu amo tênis e tenho muitos deles, mas todos são pretos e brancos ou listrados, também. Às vezes eu uso uma camiseta divertida…? Não, na verdade não.

O que há em seu futuro, para o The Coveteur?
The Coveteur está sempre mudando. Nós continuamos a tentar melhorar enquanto caminhamos pra frente. Eu adoraria estar em todo o mundo, ter escritórios em todos os lugares. Eu vivo em qualquer canto, mas ainda temos a sede em Toronto. Eu amo o West Coast, mas definitivamente me mudarei pra Nova York em algum momento. Vamos ver. Nós temos uma plataforma de mídia de muito sucesso, que foi crescendo organicamente, baseada em paixão. Isso nos dá forças para leva-la a lugares para continuar a crescer. O que posso dizer é que estou bem animado para o que o futuro nos reserva.

Jake Rosenberg

Entrevista para a Lifestyle Mag, antigo nome da Claur Magazine.

WordPress database error: [Table 'byclaur_claurprod.clau_mk_newsletter_data' doesn't exist]
select * from clau_mk_newsletter_data where status = 'publish'