NET-A-PORTER Limited

Fernanda Neute

A entrevista abaixo faz parte do nosso Podcast Chats by Claur, apresentado por Clau Ribeiro Bernstein. Você pode ouvir essa conversa na íntegra pelo Spotify e iTunes

A Ressignificação de Morar em New York

@feneute

“Eu conheci um lado bom de ficar em casa que eu não conhecia”

Fernanda

Para muitos, morar cada hora em lugar pode parecer um pouco desconfortável, só que para ela – uma verdadeira digital nomad – foi difícil parar em um lugar só. Não é uma surpresa, que ela escolheu a cidade que nunca pára, que nunca dorme.


CR: Como foi o começo da sua nova vida em NY?
FN: Eu sempre amei conhecer novos lugares e principalmente restaurantes porque eu gosto muito de gastronomia então eu comecei a anotar tudo em uma agenda que eu queria fazer, eu reservava mesa com antecedência e as vezes eu ia sozinha mesmo, o meu marido não gosta tando quanto eu de restaurantes. A minha prioridade sempre foi aproveitar ao máximo o que eu podia e fazer valer a pena nova iorque.

CR: O que muda pra você na sua casa em NY?
FN: No atual momento eu conheci um lado bom de ficar em casa que eu não sabia. Não esta legal ficar do lado de fora.

CR: Qual é a parte ruim de morar em NY?
FN: É tudo muito caro!

CR: Por que você escolheu NY?
FN: Porque aqui é uma cidade muita aberta para os imigrantes é uma cidade muito internacional e acolhedora e por isso a gente conhece uma quantidade enorme de pessoas novas de diferentes partes do mundo. Também o fato de ter vôo direto pro Brasil me agrada muito.

“Hoje eu prefiro pensar muito mais na causa das coisas. Se meu cabelo está caindo, eu vou usar um shampoo anti-queda? Não. Hoje quero ver o porque o meu cabelo está caindo… Antes eu cuidava só do sintoma e não da causa do probema”

Fernanda

CR: É difícil encontrar trabalho em NY?
FN: Sim. É a maior furada acreditar que é fácil encontrar trabalho aqui. Se você tiver já uma proposta de trabalho antes de se mudar ok mas mesmo assim a competitividade é enorme.

CR: O que a Fernanda do passado falaria para a Fernanda do presente?
FN: Cuida da sua saúde! Hoje em dia eu procuro muito mais saber a causa das coisas para poder tratar. Se meu cabelo está caindo, eu vou usar um shampoo anti-queta? Não. Hoje quero ver o porque o meu cabelo esta caindo.

CR: Como foi o seu processo para construir uma nova carreira?
FN: Tive que procurar um propósito no trabalho e fico feliz de ajudar as pessoas a serem mais felizes com o meu canal. Mas não tem mágica, não vamos ser felizes o tempo todo.

CR: Quanto custa em média para morar e NY:
FN: 4 mil dólares livre por mês mas depende também do estilo de vida, esse valor é para o básico.

CR: O que mais sente falta do Brasil?
FN: Só da minha família e mais nada.


Fotos: Cortesia Fernanda Neute

Carlos Domingos

A entrevista abaixo faz parte do nosso Podcast Chats by Claur, apresentado por Clau Ribeiro Bernstein. Você pode ouvir essa conversa na íntegra pelo Spotify e iTunes

Life Lessons


Um cliente não satisfeito e mal atendido pela Ferrari, fez com que suas sugestões não ouvidas se tornassem o combustível para lançar sua própria marca de carros – a Lamborghini. Essa é a apenas uma das incríveis histórias narradas pelo nosso guest Carlos Domingos, autor do livro Oportunidades Disfarçadas.


CR: Existe algum hábito específico enquanto está no processo de escrita do livros ou de suas colunas?
CD: Sim. Costumo fazer de uma forma mais intuitiva, eu medito diariamente antes de começar a trabalhar e quando eu sendo pra escrever as coisas já estão mais claras na minha cabeça. Durante o dia também eu paro as vezes por 15 ou 20 minutos pra fazer outra coisa, ficar com meus filhos ou ler alguma notícia. Dessa forma é muito melhor trabalhar porque eu consigo ser mais produtivo e não é cansativo.

CR: Qual atividade ou hábito que te torna mais feliz, mais produtivo ou mais criativo?
CD: Faço exercicios, natação mas nada muito diferente. Estar em movimento já ajuda bastante.

CR: Você ganhou diversos prêmios; fundou, negociou a venda à um grupo internacional e presidiu uma bem sucedida agência. Você pensa em abrir mais algum negócio no futuro?
CD: Na verdade estou criando uma plataforma nova com a intenção de impactar e ajudar as pessoas que gostaram do meu livro. Quero mostrar que nós brasileiros também podemos inovar e empreender.

“A minha ambição é tentar transformar o mundo dos negócios em uma forma interessante e pop. As plataformas mais antigas falam de uma forma muito dura que chega a ser chato”

Carlos

CR: Como surgiu a ideia do primeiro livro?
CD: Antes do livro eu escrevi um artigo do oportunidades disfarçadas e recebi 80 email, escrevi o segundo artigo e recebi 120 emails, o terceiro artigo e recebi 140 emails. No total eu escrevi 15 artigos. E todo mundo me pedia a fonte das histórias mas não era uma fonte única que eu usei então decidir reunir todas e fazer uma fonte única. Cheguei a quase 200 casos e livro saiu em 2009 e já é um best-seller já vendeu mais de 100 mil cópias, foi lançado em Portugal e agora tem uma editora dos Estados Unidos interessada também.

CR: Como foi fazer o segundo livro?
CD: Eu fui passar um tempo em Londres com a família após sair da agência e ficamos por lá um ano e meio. Tive esse tempo pra pensar no que eu gostaria de fazer porque ser CEO ocupa muito o nosso tempo. Como eu queria continuar contribuindo para as pessoas eu decidir fazer uma pesquisa grande e reunir novas histórias por Londres mesmo, cheguei em quase 400 novos casos, voltando pro Brasil eu acabei de escrever e lancei. E agora quero não só continuar escrevendo mas quero transformar esse conteúdo em videos.

CR: Quais são as oportunidades disfarçadas que você destaca na pandemia?
CD: Podemos falar das crises, qualquer crise muda o mundo. Eu acho que vamos ter muitas mudanças e uma delas é o de trabalhar home office porque isso é qualidade de vida e ganhamos mais tempo trabalhando em casa. Outra coisa que eu acho também que vai mudar é a questão do desperdício de comida, existem já algumas plataforma que vendem aquelas frutas consideradas “imperfeitas” que estão crescendo muito no mercado, porque que diferença faz se a fruta não é perfeita se você vai fazer um suco por exemplo.

“Temos que aprender a lidar com as limitações”

Carlos sobre a COVID-19

CR: Quais livros que mudaram sua vida e porque?
CD: São vários. Um deles é a Arte de fazer amigos e Influenciar Pessoas do Dale Carnegie, eu li quando era adolescente e fiquei muito encantado com esse livro e me ajudou muito quando eu estava á frente das agências de publicidade porque eu aprendi a falar sobre o ponto de vista dos outros e não do meu. Um outro livro mas esse sobre ficção que eu acho que ajuda muito a gente abrir a mente é o Memórias póstumas do Brás Cubas e o Dom quixote também do Miguel de Cervantes. Agora na pandemia estou lendo o Mitologia Primitiva do Joseph Campbell que fala como surgiu os símbolos que exisgem hoje. Eu acho que livro legal é aquele que a gente ta lendo no momento.


Fotos: Cortesia Carlos Domingos